ENTREVISTA COM A ESCRITORA LUISA NEWLANDS

1. Quando era pequena seus pais contavam história para você? 

     Você acha que isso te influenciou nesta vontade de escrever e inventar personagens?

Luísa- Meus pais contavam, mas acho que, na verdade, eu que sempre gostei de contá-las.

Sempre  gostei de inventar personagens e inventar histórias sobre eles e, assim, contava para os meus pais e amigos.

 

2. Onde você fez o ensino médio?

Luísa- Eliezer Steinberg Max Nordau

 

3. Você era boa aluna em história, português, literatura?

Luísa- Bem, eu me dedicava muito... Hahaha mas sim, eu era boa.

 

4. Quanto aos clássicos você chegou a ler Machado de Assis?

 Luísa- Li os que a escola nos obrigava. Acho que foram Dom Casmurro (algumas centenas de vezes), Memórias Póstumas de Brás Cubas e Capitu.

 

5. Qual dos escritores você gosta mais? Você tem alguma preferência?

Luísa- Gosto dos modernistas, mas principalmente os da última fase, como Clarice Lispector e Jorge Amado.

 

6. Quando surgiu esta vontade de escrever?

 Luísa- Eu sempre gostei de escrever, tanto que redação sempre foi minha matéria favorita no colégio. Eu comecei a escrever histórias aos 10 anos... Acho que foi porque eu ganhei meu primeiro computador. Hahaha.

 

7. Além de escrever, qual outro hobby você têm?

Luísa- Além de escrever, eu gosto muito de dançar. Fui ginasta por 10 anos, mas quando cheguei ao ensino médio, não conseguia conciliar a escola com os treinos. Então, decidi me dedicar a dança.

 

8. Você também gosta de contos e chegou a ficar entre os dez finalistas num concurso de contos on line, mas como chegou a esta final?

Luísa- Em 2011, a Livros Ilimitados, em parceria com a Cantão, organizou um concurso de contos online que era uma votação. Os 50 mais votados iam para uma banca votar e, a partir daí, escolhiam 10 para publicar um livro com eles. O meu acabou sendo escolhido e esse foi o meu primeiro trabalho publicado. No ano passado, a Livros Ilimitados e a Cantão decidiram criar o selo Eu Amo Escrever, dando continuidade ao projeto de 2011, e chamaram os ganhadores do concurso para publicarem seus livros individualmente.

 

9. Você encontrou alguma dificuldade para escrever este romance? E, o tema foi fácil?

Luísa- Não encontrei nenhuma dificuldade, sinceramente. Quando ganhei o concurso, eu imaginava que isso poderia me abrir muitas portas, mas não imaginava que portas seriam essas. Jamais pensei que em um ano, eu já teria meu próprio romance publicado. O tema era livre, então eu escolhi algo que tinha a ver com a minha vida no momento em que comecei a escrever. Na época, eu estava lendo Fallen, da Lauren Kate, e assistindo a primeira temporada de Vampire Diares, o que explica a temática sobrenatural.

                             

10. Você está pensando em escrever outro livro?

Luísa- Sim, a continuação de Fascínio.

 

11.  Você disse que vai conhecer Israel através de um intercâmbio? Como surgiu esta vontade de conhecer Israel?

Luísa- Bom, eu sou judia, o que explica essa vontade de ir a Israel. Eu já visitei o país duas vezes, uma vez para competir e outra com o colégio. Mas essa é a primeira vez que eu terei uma experiência de viver na sociedade israelense. O programa faz parte do processo dos movimentos juvenis judaicos de todo o mundo. Passamos anos ouvindo sobre Israel e a sua realidade, até que chega o dia em que nós vamos viver de perto. 

Agradeço a escritora Luísa Newlands que,  gentilmente, concedeu esta entrevista.

Paulo Marques